quinta-feira, 26 de julho de 2012

Ave - Palavra


AVE-PALAVRA


A palavra quase falava
Furtava cores da vida...
Se lida, sinalizava
Asas que usava escondida
Se escrita se descompunha
E se punha toda ostensiva
Flertando desinibida,
Expondo vários sentidos
Somente para despertar
A voz que quer ser servida
E voar na vez de ser vida
Rindo e mostrando as vergonhas
Vibrando em festa no ouvido!!!


Altair de Oliveira - In: O Lento Alento

6 comentários:

  1. Ah, que seria a vida de um Poeta, se não fosse a metalinguagem.! Né, Altair!
    Parabéns, pela bela poesia!

    ResponderExcluir
  2. Hummmm, tem razão Luíz, em nosso tempo a poesia tem e tem se debruçado sobre si mesma! Nem sei se isto sempre é bom...hê! Mas este poema especificamente é para celebrar determinadas palavras que se destacam dentro de um texto como se tentassem interação com a vida real, uma coisa que, confesso, me acontece com frequência! Thanks!

    ResponderExcluir
  3. Hello!! Não lembro se já nos encontramos em algum Sarau. Mas tu tem contato com os Poetas Virtuais de São Paulo (Musa, Penelope, Sir Lancelot, Sonhador e Cia?). Estive fora do convivio literário por mais de 3 anos. E meus contatos parecem ultrapassados. vamos manter contato: dream_fantasy@ig.com.br (serve para o Facebook também). Uma ótima semana. Conde

    ResponderExcluir
  4. seus poemas são lindos!!!beijus

    ResponderExcluir
  5. Palavras...interessante seu poema,muito bom mesmo! Você é o poeta.Bjs...

    ResponderExcluir
  6. Obrigada, por sua visita e pelo prazer de ler seus poemas...com carinho estarei sempre de volta.
    Abraços,

    ResponderExcluir