sábado, 26 de junho de 2010

Inapagável Apego

INAPAGÁVEL APEGO

Apesar desta distância que nos tolhe
E da falta de teus braços, que me esfriam
Eu te afago tatuada na memória
E o fogo que respondes acaricia...
Teus olhos sagitais inda me atingem
E me fingem uma anti-última alegria...

Altair de Oliveira, In: O Lento Alento.


Ilustração: Corada de Beleza II, de Peter Max

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. bem, já dizia um (outro) grande poeta, o vinícius: "a vida é a arte do encontro!"
    só conheço o Altair apenas virtualmente (orkut e messenger)... mas logo de inicio já deu prá perceber que ele é pura sensibilidade!!!
    amigo te conhecer, mesmo que apenas virtualmente, é um presente prá minha vida! parabéns pelo que vc é!! pelo comportamento, caráter,inteligência, paixão as palavra, carinho com os amigos, disponibilidade e sensibilidade.Parabéns pelo blog, tá lindo e tomado de preciosidades,etc, etc, etc ... enfim, uma inspiração prá qualquer um de nós!
    que Deus sempre o cubra de honra e bençãos.
    bjo do tamanho da gradiosidade do seu poema "AMANHÃ DE NÉVOA" rsrsrsrsrs

    com carinho, neste dia e sempre!
    Claudia Lucena.

    ResponderExcluir
  3. ...de tanto amor por vir
    nas andanças e entredanças
    desfaz minhas tranças
    e mesmo ao partir,
    na distância
    me alcanças...

    ResponderExcluir